Blogue

 

Novidades

O Primo

O Primo
Joaquim Monteluar

14,00 €

Infinito dom d

Infinito dom d'amar
José Sobral

15,00 €

Estado ingrato

Estado ingrato
Emídio Cabrita de Oliveira

14,00 €

Anim e os avós maternos

Anim e os avós maternos
Hermínia Jesus

15,00 €

O uivo do lobo

O uivo do lobo
João Antunes Pardelho

18,00 €

A Sobredotação

A Sobredotação
Mário Correia Alves

13,00 €

Destaques

Esfinges

Esfinges

Esfinges

Francisca Júlia da Silva, Maria da Penha Campos Fernandes

Trata-se da edição portuguesa da obra «Esfinges» da autora brasileira Francisca Júlia da Silva, sécs. XIX-XX.

O gaúcho Martín Fierro

O gaúcho Martín Fierro

O gaúcho Martín Fierro

José Hernández, Maria da Penha Campos Fernandes

«O gaúcho Martín Fierro» tem como protagonista um homem de trabalho sem trabalho e que se mostra um fluente cantor-narrador cuja errância se enraíza na gratuidade da espoliação e da violência decorrente dos conflitos pela posse e pela organização do território argentino na segunda metade do século XIX.

Aleluias

Aleluias

Aleluias

Raimundo Correia, Maria da Penha Campos Fernandes

«Raimundo Correia [...] prefigura o Mário de Sá-Carneiro de "Nossa Senhora de Paris" ou o Pessoa de "Pauis". Até mesmo o inventário é o dos futuros modernistas portugueses [...]. E as praças "hoje abandonadas" têm a cor de uma pintura metafísica». (Luciana Stegagno-Picchio, 1997, 2.ª ed. 2004:314)

O Matadouro

O Matadouro

O Matadouro

Esteban Echeverría, Maria da Penha Campos Fernandes

«O Matadouro» de Esteban Echeverría é uma obra pioneira na denúncia da violência da ditadura sobre os povos sul-americanos. É também, por este mesmo motivo, uma narrativa de fundação intelectual e social da Argentina quando a antiga colónia, depois das lutas contra o Império Espanhol pela independência (25 de Maio de 1810…; reconhecimento 09 de julho de 1816), e do caudilhismo de Juan Manuel Rosas (1829 a 1831/1835 a 1852), teve a necessidade de organizar se como uma Nação democrática. «O Matadouro» é também uma obra pioneira no campo da Literatura, sobretudo pelos Realismo e Naturalismo avant-la-lettre que exibe, ao levar às últimas consequências as vertentes costumbrista e nacionalista do Romantismo, introduzido anteriormente pelo próprio Echeverría na América Hispânica. Com efeito, nesta narrativa de estrutura singular, a relevância da cor local traduz-se na amostragem de episódios estúrdios associados ao abate do gado bovino para a alimentação, uma necessidade básica em torno da qual uma fauna humana, politicamente religiosa, se movimenta de modo grotesco, caótico e violento, com o beneplácito e a cumplicidade da autoridade responsável pela ordem e pela justiça, sob o olhar irónico do narrador. Maria da Penha Campos Fernandes in «Introdução»